Vestido diferente feito de papelão, barbante e nanquim

Roupa diferente: Vestido curto criativo

Miriam Kajiki, autora do vestido que usa nas fotos, precisou certa vez apresentar uma produção para determinada matéria do curso de Artes Visuais, na Unicamp. O desafio era criar uma escultura de vestir e como ela na época estava encantada com o papelão, escolheu o material para trabalhar.

“A estrutura me lembrou origamis, que me lembraram o Japão, que me lembrou o tanabata (festival de verão). Durante o festival as pessoas escrevem pedidos em papéis coloridos, prendendo-os em bambus. A partir disso pensei em fazer um vestido onde eu pendurasse pedidos, desejos, sonhos que as pessoas me falassem”, explica a garota.

Inspirada na tradição e substituindo alguns materiais – crochê no lugar do bambu e plaquinhas de papelão em vez de papéis coloridos, Miriam alcançou o resultado que buscava. Uma roupa bonita e delicada, afinal, são os desejos de outras pessoas que ela carrega no corpo – a moça garantiu que ali não há nenhuma vontade própria.

Para nomear o vestido o termo PEÇA foi convenientemente escolhido. Relaciona-se tanto com o objeto quanto com os desejos ali representados (peça, de pedir). O resultado é atraente, conceitual e pode ser usado sim, mas com alguma autodisciplina. Vestindo PEÇA o simples ato de sentar é um desafio. Deitar ou tomar chuva fica terminantemente proibido. Realmente não é para qualquer um, é somente para quem assumir a responsabilidade de tratar bem os anseios dos outros.

vestido criativo: roupa diferente
Vestido para festas alternativas

Um programador insistente e curioso, que vive atrás de descobrir coisas novas na internet e, principalmente, fora dela. Viajar é seu sonho e viver é o que espera quando alcançá-lo.

Comments

comments

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *