10 fotografias raras e reais de escravos brasileiros há 150 anos

Estas imagens, tiradas há mais de 150 anos, são registros únicos de uma das épocas mais cruéis da sociedade brasileira. Quando estudamos sobre a escravidão no Brasil, temos acesso a ilustrações, encenações e, é claro, descrições do período na literatura. Desta vez, poderemos observar imagens que mostram realmente pessoas da época que eram submetidas à escravidão.

Quando nos deparamos com o post do blog História Ilustrada e nos surpreendemos com a qualidade das imagens, decidimos também mostrar aqui esse conteúdo tão importante – e lamentável – da história brasileira.

O que tornou possível tamanha riqueza de imagens de época, segundo o site, foi o interesse do Imperador Pedro II pela fotografia, o que tornou o Brasil um dos países em que primeiro se desenvolveu esta prática.

Todas as fotos são do período entre 1860 e 1885 e têm como fonte o Acervo Instituto Moreira Salles, de onde ainda pretendemos escrever alguns posts sobre outros assuntos históricos. 🙂

Senhora na liteira (uma espécie de "cadeira portátil") com dois escravos, Bahia, 1860 (Acervo Instituto Moreira Salles)

Senhora na liteira (uma espécie de “cadeira portátil”) com dois escravos, Bahia, 1860 (Acervo Instituto Moreira Salles)

Primeira foto do trabalho no interior de uma mina de ouro, 1888, Minas Gerais. (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Primeira foto do trabalho no interior de uma mina de ouro, 1888, Minas Gerais. (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Negra com uma criança branca nas costas, Bahia, 1870. (Acervo Instituto Moreira Salles)

Negra com uma criança branca nas costas, Bahia, 1870. (Acervo Instituto Moreira Salles)

Negra com o filho, Salvador, em 1884 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Negra com o filho, Salvador, em 1884 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Lavagem do ouro, Minas Gerais, 1880. (Foto- Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Lavagem do ouro, Minas Gerais, 1880. (Foto- Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Foto da Fazenda Quititi, no Rio de Janeiro, 1865. Observe o impressionante contraste entre a criança branca com seu brinquedo e os pequenos escravos descalços aos farrapos (Georges Leuzinger_Acervo Instituto Moreira Salles)

Foto da Fazenda Quititi, no Rio de Janeiro, 1865. Observe o impressionante contraste entre a criança branca com seu brinquedo e os pequenos escravos descalços e aos farrapos (Georges Leuzinger_Acervo Instituto Moreira Salles)

Escravos na colheita do café, Rio de Janeiro, 1882 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Escravos na colheita do café, Rio de Janeiro, 1882 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Escravos na colheita de café, Vale do Paraíba, 1882 (Marc Ferrez_Colección Gilberto Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Escravos na colheita de café, Vale do Paraíba, 1882 (Marc Ferrez_Colección Gilberto Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Quitandeiras em rua do Rio de Janeiro, 1875 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

Quitandeiras em rua do Rio de Janeiro, 1875 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

A Glória, vista do Passeio Público, Rio de Janeiro, 1861 (Revert Henrique Klumb_Acervo Instituto Moreira Salles)

A Glória, vista do Passeio Público, Rio de Janeiro, 1861 (Revert Henrique Klumb_Acervo Instituto Moreira Salles)

Veja no vídeo uma compilação de várias imagens tiradas do Acervo Instituto Moreira Salles.

Um programador insistente e curioso, que vive atrás de descobrir coisas novas na internet e, principalmente, fora dela. Viajar é seu sonho e viver é o que espera quando alcançá-lo.

Comments

comments

21 comments

  • Os tempos mudaram mesmo. As oportunidades são as mesmas para quem estuda, se prepara e busca uma vida melhor, independente da cor. O fato é que é mais fácil culpar o governo ou a sociedade em geral pela incapacidade/preguiça/conformismo! Sou negro e nunca me senti menos que qualquer outra pessoa tanto no âmbito social quanto no profissional.

    Responder
  • Samuel Honorato Rocha . Custo a acreditar que você escreveu essa bobagem. As condições para estudar e se preparar para enfrentar um mundo tão competitivo obviamente não é a mesma na média entre os brancos e os negros. Se as suas condições foram melhores ou se você venceu as dificuldades, parabéns, mas não se esqueça nunca que a desigualdade que existe entre negros e brancos é histórica e não fruto da preguiça ou indolência dos negros.

    Responder
  • Luciano de Carvalho Escrevi essas "bobagens" com propriedade! A tal desigualdade não é uma questão histórica, ela está dentro de cada um de nos, de acordo com nossas expectativas e projeções. É fato que houve sim a escravidão! Mas é errado usar o passado para justificar o que está acontecendo hoje – falo dessa decadência cultural e social a qual somos submetidos e aceitamos calados, e desinteresse politico dos mais jovens. Falo do "lixo midiático" que somos obrigados a engolir e que está por toda parte.. dos esteriótipos que desde crianças aprendemos que devemos seguir.
    Capacidade todos temos. Uns se contentam (e são felizes) com o pouco que tem, outros, tem muito e querem mais! Estudar e se preparar: você pode fazer na sua casa, no seu quarto, com seus livros, internet e sua autodidática. Infelizmente a garotada está mais interessada em outras atividades, sejam elas bancas, pretas, ricas ou pobres. Você tem meu respeito.
    Abraço!

    Responder
  • Samuel Honorato Rocha Meu querido, as possibilidades, desde quando existem, não faz muito tempo! E não era só para negros não! Era para qualquer pobre mesmo! Então agora é que está se conseguindo emergir "um povo" brasileiro, cuja herança histórica, é a desgraça! ACORDA RAPAZ! Até pouco tempo, a realidade era bem diferente! Tanto para negros, quanto para pobres, para negros pobres então, nem se fala. E apesar de hoje em dia inda o negro ter o seu espaço, e estar conquistando bastante espaço, há muito o que reparar, consertar, provover, dissipar, reconhecer, proteger etc.

    Responder
  • Samuel Honorato Rocha, acho que você não vive a realidade de muitos negros e pobres. A desigualdade é muito clara. Entra num shopping e observa quem são os seguranças, faxineiros, empregadas domésticas no geral? Veja na sua faculdade quantos negros estudam lá. Faça uma análise mais concreta do assunto. Você está equivocado.

    Responder
  • Um fato que muitos tb não comentam ou que não sabem.é que muitos africanos eram mandados como escravos da africa pelos próprios reis de tribos quando venciam uma batalha contra outra tribos,ou eram mandados como escravos aqueles que se rebelavam.

    Responder
  • Nós afros brasileiros ainda somos explorados sim,
    Sempre nos deixam no final das filas, da educação, do emprego, e etc. E isso não irá mudar pelas mãos daqueles que nos governam porque eles não querem que mude por isso a cada vitória de um preto mil comemoram.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *