Projeto artístico renova bairro abandonado e devolve perspectiva aos moradores

heidelberg7

A cidade de Detroit, localizada no estado norte-americano de Michigan, vem passando por um processo de êxodo pós-industrial muito significativo. Estima-se que entre os anos 2000 e 2010, quase 25% da população local mudou-se para outras regiões, como resultado da suburbanização e declínio do poder econômico da cidade. Para muitos estadunidenses, Detroit se tornou exemplo da deterioração urbana pós-industrial.

Essa mudança culminou em mais de 30% de casas e edifícios abandonados e uma arquitetura desoladora – fábricas em ruínas se misturam com arranha-céus deixados ao léu – além de uma população carente e bastante fragilizada socialmente. Foi em meio a  esse cenário perturbador que surgiu o The Heidelberg Project.

Criado por Tyree Guyton, em 1986, o projeto promove a ocupação artística de uma área de dois quarteirões em um bairro da cidade. A matéria-prima? Uma variedade enorme de objetos e materiais resgatados do lixo.

heidelberg3

heidelberg10

heidelberg4

O artista iniciou o projeto em resposta à deterioração da vizinhança onde morava. Usando a arte como agente motivador de mudança, ele iniciou os trabalhos com a limpeza de terrenos baldios com o apoio de seu avô e das crianças que moravam no bairro. Com os objetos que recolhiam, Guyton redecorava as fachadas e espaços abandonados da região, desenvolvendo “obras de arte” gigantescas. A partir de então, o trabalho foi crescendo: lotes vazios se tornaram jardins de arte públicos; logo depois, o bairro ganhou uma rua cheia de bolinhas coloridas. O que antes era lixo, recebeu cor e significado e acabou virando atração.

heidelberg2

heidelberg5

heidelberg6

heidelberg8

O local, que antes abrigava um ambiente totalmente devastado, aos poucos converteu-se em um colorido e lúdico espaço voltado para o diálogo e recreação dos moradores da região. “Eu comecei a mudar o ambiente”, diz Guyton, e completa:  “eu comecei a mudar a mim mesmo. E isso teve um efeito nas pessoas”.

Desde a criação do projeto não houve registro de nenhum crime grave ocorrida na repaginada rua Heidelberg, a principal do bairro. O antigo ponto de tráfico de drogas e violência se transformou em espaço público no qual as crianças podem brincar livremente e os visitantes, ficar à vontade. Guyton inseriu a arte em uma comunidade carente de boas perspectivas e convidou seus membros e moradores a participar das criações junto com ele, retomando o senso de pertencimento e orgulho que havia se perdido ao longo do tempo.

Heidelberg

heidelberg13

Atualmente, o projeto transformou-se em um movimento organizado e conta com um quadro completo de colaboradores, um novo escritório, balcão de informações, artistas residentes e uma galeria. O Heidelberg Project organiza eventos como festivais, visitas guiadas, palestras, workshops, programas educacionais e exposições de artistas emergentes no espaço destinado à galeria.

Jenenne Whitfield, diretora executiva da organização, explica que o projeto é uma nova abordagem para reimaginar a comunidade por meio da arte. A filosofia do projeto é que a arte pode agir como um catalizador para a mudança social, um remédio que afeta os pensamentos e atitudes dos membros da comunidade e, em último caso, gera mudanças de comportamento bastante positivas.

heidelberg14

heidelberg9

heidelberg11

heidelberg12

Um belo exemplo de reestruturação de espaços públicos de uma forma simples e com um grande poder transformador.
Imagens: Scott Kreider

Relações-públicas e viajante na horas vagas. Arte, moda, viagem e decoração são seus assuntos favoritos, mas inspira-se com tudo de belo e criativo que existe por aí.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *